Buquê de flores

Caminhei sem ser notado. Passos lentos, sem rumo, apenas seguia para tentar não interromper o fluxo natural da vida. Multidões iam em destinos iguais, uns para lá outros vinham, mas ninguém interrompia esse fluxo. Sempre em frente, sem explicações plausiveis para um passo de cada vez. As escadas que possuíam um temporizador ocasional para facilitar […]

Peter, o comedor de sonhos

Se era uma criança normal? Claro que era! Você nunca tem como saber o que pode ser de verdade, porque não sabemos de fato se a nossa realidade é esta em que estamos. Talvez você seja parte de algum experimento tecnológico ou quem sabe não é nada, apenas parte de um todo que te entende […]

O tempo perdido

2017 realmente foi um ano bastante marcante. Eu poderia ampliar e falar das mudanças do mundo, do avanço da operação lava-jato ou qualquer outra merda dessas que aconteceu na pluralidade do inédito, mas me recluso sendo egoísta e refletindo sobre minha própria vida em fevereiro. Geralmente as pessoas utilizam os dias da passagem do ano […]

A Escuridão e o Escritor

Às 4h19 da manhã vivo as loucuras de um escritor com a mente tonta como em um pesadelo semiacordado. Uma casa pequena, com dois cômodos nada espaçosos e um banheiro, não sei o que devo usar como quarto e o que devo usar como sala/cozinha/quintal/e o caralho. Como se já não bastasse todos os problemas […]

A Sabedoria

Um sobressalto me acordou sem motivos, as lembranças confusas de um pesadelo não curtiam os olhos fechados. Ouvi da consciência que tinha de levantar, e aí fui. No banho cansativo um som me espantou, cessei as águas e agucei os ouvidos. Era o som repetitivo da campainha. Me apressei para a toalha e me enrolei […]

Sobre o medo

O homem gritava com sua voz grave palavras chulas e repressoras. Elas viajavam com um peso desumano e atingiam os envolvidos que trepidavam o corpo involuntariamente. O homem não queria observar o sentimento que destruía aquele ambiente, para ele o controle absoluto da situação era prazeroso, nada melhor do que expor a sua loucura sobre […]

Brisas

A escuridão ainda vivia às quatro da manhã do dia dezoito de dezembro. Meus ouvidos estavam aguçados a escutar o barulho do motor de um ventilador velho que girava em velocidade lenta para empurrar uma leve brisa que resfriava meu corpo suado de uma noite de sono conturbada. Movimentei meus braços para cima e olhei […]