Uma festa de introversão2 min read

Eu já fui em festas, diversas delas, mas geralmente aconteciam na minha casa e minha mãe que preparava comidas baratas para servir a vizinhança que esperava ansiosa com chapéus característicos. Depois eles sempre cantavam uma música e eu tinha que assoprar velinhas acesas encravadas na cobertura do bolo, geralmente continham números, 8, 7… depois dos 8 acho que pedi com todas as forças que não se repetisse, mas é claro que ninguém atendeu.

Hoje estou aqui ouvindo uma música ruidosa, com sanfona enquanto me escondo no escuro da festa só para observar e tentar entender o que tenho que fazer. Agora, na verdade devem olhar para o escuro e o brilho do celular pode chamar a atenção e expressar a solidão do introvertido que digita sem parar. Os mais responsáveis irão especular que eu devo estar negociando a chegada da minha esposa, outros podem julgar o vício de não soltar o celular no momento sociável do dia. A verdade é que escrevo apenas para evitar participar do que nem sei. Não sei o que tenho que fazer além de andar tonto e comer… noto que as pessoas fazem o mesmo, porém se unem em grupos pequenos para conversar.

Não posso dizer que vou tentar me enturmar, não posso dizer que vou beber algo alcoólico para perder a linha. E muito menos vou curtir a música, então eu me pergunto e levanto esse eterno questionamento para o leitor, você… você que me lê sem motivo algum e não sabe do que estou falando certamente:

“Por que as pessoas fazem festas, sem motivos? “

Se você me responder de forma mais emocionante que toque meu coração, vou aceitar e me tornar um alguém mais sábio e prometo parar de criticar as festas. Mas parece que vão se divertir.

A festa é temática, festa junina. Tem gente com chapéu de palha, camiseta quadriculada, mas esqueceram da cara de pobre. Festa junina tem que fazer cara de pobre, pintar um dente de preto e falar arrastado com palavras que respeitam claramente o dever de não usar o plural. Mas ali tem comida, comida que vc não pode exagerar, porque socialmente ninguém come 20 hotdogs numa festa junina. A massa humana pede 1, e eu, que sou gordo, anseio por ser do contra, mas é social, então manter as aparências deve ser prioridade(então posso manter a aparência de gordo e comer tudo que tiver?).

Trancinhas também formam a vista, e a paleta de cores características é interessante de se ver. Pena que minha festa consiste apenas numa demonstração de minha eterna introversão, e só aguento até o momento de entrar pela porta, isso significa que agora vou ali procurar a melhor maneira de fugir.

Curta e compartilhe!