Sou pessimista ou especialista?2 min read

Alguns dias sendo jogado de um lado para outro. Momentos em que o mundo girou tão rápido que eu me esqueci de dormir, muitos dizem que isso é falta de organização, ou que isso pode ser o mundo opressor me sufocando e impedindo a porta do descanso de se abrir as noites.

Mas o que de fato é? Desordem? Ansiedade? Mitomania?

Eu descanso ou não descanso?

De certo que não posso dizer em absoluto que não descanso, sabe se lá quem vai entender ao pé da letra. Ao menos imaginem um corpo sem descanso, o quanto de fumaça negra irá sair pelos ouvidos… meus processadores precisam de um descanso senão sobrecarregam de uma forma sem volta. E isso só encheria as bocas dos crentes de poder ao dizer palavras vagas, mas que para eles fazem sentido – O Homem que disse ser maior do que Deus, está hoje aí, maluco com a mente atrofiada, mas eu sabia que este não ficaria impune.

Hipocrisia. No entanto o esforço ao extremo pode me levar a falência, uma falência cerebral, algo que conseguiria me derrubar por completo sem volta. Independendo de deus ou não, foram minhas ações que me levaram a isso – ainda que nada tenha acontecido – e por isso só posso me culpar ou me dar o crédito por tudo, porque não vi nenhuma nota de real cair do céu ou uma piada motivacional.

Eu descanso ou não descanso? Isso seria um paradoxo? Qual o sentido de se discutir isso coletivamente se apenas o meu corpo será o prejudicado?

Podemos pensar no impacto em algumas pessoas, se eu não dormisse, mas eu durmo. Se eu não descansasse, mas descanso. Talvez o problema não seja descansar ou não. Talvez seja apenas questão de vontade. Uma vontade única, ou não única de mudar constantemente de rotina, talvez a rotina que me canse e evite o descanso, porque descansar é rotineiro.

Talvez, só talvez, o problema seja a vontade de interpretar com esforço extra que pode acabar com uma visão comum de um simples dia de trabalho e a transformar em um dia cheio, um dia fora da rotina com milhões de desafios e complexidades complexamente simples daquelas que você só diz que é difícil, mas resolve em menos de cinco minutos.

Talvez do que preciso, eu não saiba. Talvez preciso ser menos otimista ou ser pessimista no otimismo acabando com a motivação e a transformando em mecânica cerebral. Dormência. Talvez o que eu preciso é de precisar de alguém e receber a ajuda, talvez só talvez. Talvez o esforço que busco não é o meu, mas o esforço dos outros em mim ou para mim.

Talvez eu já seja pessimista mesmo, por reclamar de tudo, todavia ainda posso olhar por outro lado e trocar o pessimista por especialista.

Curta e compartilhe!