O medo do fracasso4 min read

Não sei iniciar um texto com esse título sem lembrar de algumas angústias rotineiras. Obviamente o que domina meu pensamento ao escrever um texto sobre esse tal medo é de fato o medo do fracasso. Mas posso fingir que tudo vai bem e que não poderia estar melhor, ainda assim esse fingimento não passa de uma mascara frágil que qualquer um que enxergue saberá distinguir a verdade. E nem posso apelar para a verossimilhança em histórias mentirosas sobre o sucesso, afinal a sua cara, – ou – a minha cara me condenará.

Ainda existem por ai as palestras motivacionais, e sempre irão existir. Essas deveriam te encher de motivos para continuar batendo sua meta nas empresas, ou quem sabe continuar uma rotina que beneficia alguém ou algum grupo específico. Apesar de parecer que o egoísmo não se apresenta diretamente nesses conteúdos, a mensagem central é quase sempre o quanto você poderá fazer e até onde você poderá chegar. Simplesmente repetem as mesmas palavras de sempre seus sonhos serão realizados, basta acreditar, ou quem sabe um apelo mais forte para a realidade como tenha foco, foque em seus objetivos que você chegará aonde quer. O que me parece interessante é a forma como essas pessoas ignoram o terror causado pelos inúmeros fracassos propostos pela falta de conhecimento em iniciarmos qualquer atividade de longo prazo.

Mas se a realidade realmente for importante podemos começar a abrir os olhos dos amigos aventureiros. Explicar o que precisam saber. E explicar quais as armadilhas estarão instaladas no caminho não significa desmotivar, pelo contrário, agora os seus motivos serão mais reais, pois você terá que escolher algo concreto para conquistar, algum objetivo possível de ser alcançado. Isso porque o sentimento brilhante e energético que temos ao iniciarmos um plano de carreira ou o planejamento de uma empresa, pode ofuscar a nossa visão para o que realmente acontecerá. Quer um exemplo? As inúmeras pequenas empresas que se abrem e fecham constantemente em nosso país, eles engatam a quinta marcha e colidem com o primeiro pedregulho disfarçado de escadaria. Talvez por ninguém abrir os olhos para a realidade. As diversas ações que podem nos levar a falência ocorrem pelo mesmo processo de realização e fracasso. Os erros cometidos devem ser entendimentos como o resultado de testes A/B, afinal podemos melhorar a cada queda, mas o que realmente acontece é uma falta de autoconhecimento, as pequenas empresas se envolvem demais em sentimentos pessoais e pensamentos unitários. Como por exemplo, a parte em que elas aceitam a inclusão de pessoas à equipe apenas por se interessarem pelo seu projeto.

Nesse contexto de sonhos, sabemos também que os sonhos não são apenas empreendimentos. Várias pessoas sonham na obtenção de um cachorro, outros usam os sonhos de curto prazo como sonhos de longo prazo pelas circunstâncias do momento, como por exemplo o sonho de uma criança de obter um aparelho eletrônico que não depende de seus esforços para conseguir, depende exclusivamente da boa vontade e suor de outras pessoas. Essa criança crescerá com um sonho bobo de obter aquele aparelho assim que puder, mesmo que o mesmo seja completamente inútil na época de sua compra atrasada. Talvez seja o que motiva vários colecionadores por ai nesse mundo.

Mas voltando aos motivos, a motivação não pode ser algo que te diz para acreditar ou conseguir. Deve ser explicações contínuas sobre coisas que você precisará saber para alcançar o seu sonho. Sim porque para cada caminho que queiramos seguir o pensamento precisará se guiar pelo conhecimento, e o conhecimento será doado por diversas pessoas ao seu redor, seja este escritor que você ler ou o seu tio lhe ensinando a dirigir. Sabendo disso,  nunca aprendemos nada sozinho, mas podemos buscar uma forma de entendermos melhor o que precisamos fazer, mas isso é questão de autoconhecimento, deixemos para depois.

No final de tudo o conteúdo que te motiva acaba criando falsas motivações, falsas realizações, ignorando as imensas variáveis da vida, ignorando que para toda pessoa o resultado se torna algo diferente. Os motivos de seguir um sonho acabam se tornando coisas fúteis como inveja, e o desejo de obter o mesmo sucesso que outros obtiveram. Mas o sonho do aparelho eletrônico pode ser resolvido com a mesma ideia, uma explicação dos motivos de você não ganhar quando pede, ou os motivos de você ganhar quando pede. E não precisamos criar motivos, inventar coisas uma vez que a vida é livre, porém completamente observável e padronizada na medida do possível.

Toda essa desinformação, essa desmotivação por tentar motivar, acaba criando e/ou elevando à escalas extremas a incerteza de agir. Desse modo ninguém mais cresce, ninguém mais agirá como se estivesse perdendo algo que tem. Essa incerteza exorbitante se reflete na ideia de medo do fracasso, afinal fracassar implica em ter de dizer a todos a merda que fizemos, e essa parte é a que mais odiamos nessa vida.

Pois conversaremos mais nos comentários, esses assuntos precisam ser debatidos constantemente!!!

Até a próxima.

Curta e compartilhe!