Tipos de macho alfa brasileiros

O macho alfa é aquele cara que gosta de mulher. Ele não se preocupa com esse gostar, na verdade, ele se preocupa em mostrar que gosta de mulher. Nesse contexto ele é o cara que anda pelo caminho achando todas as mulheres gostosas, ou dizendo que acha todas as mulheres gostosas. Da prima da mesma idade, até a vovó fofoqueira da esquina.

Nos encontros ele paga o passeio. Nas conversas ele se molda aos gostos da presa – sim, porque um macho alfa não ama, ele caça. E quando o namoro começa, mesmo o sentimento sendo verdadeiro, ele evita expor sua humanidade social, e finge que um palavrão é o “eu te amo”.

E a caça nunca para. As traições são iguais, os pensamentos são sacanas. E o amor que ele sente fica exposto no íntimo da noite, quando os dois se unem para trocar calor e evitar o frio que se estende pela madrugada. Mas por que não expor? Porque o macho alfa não quer ser chamado de mulherzinha, ele não pode ser visto como um alguém sensível, e portanto só cuida do cabelo dizendo que é porque elas gostam. E só se veste bem se desculpando pela caçada – elas gostam.

Mas esse é o macho alfa do mundo, o que sai na noite dizendo que está assistindo séries no Netflix. Ainda temos o macho alfa cristão, esse é terrível. Ele gosta de mulher como o primeiro, mas não pode dizer por aí que gosta de mulher, tem que expor que gosta de uma só mulher, sua esposa. Mas por trás da cortina ele se esconde pra dizer o quanto a irmã Jurema está linda, e ela se sente feliz imaginando que poderia ficar com ele, pois esse pode ser um propósito de Deus. Afinal ele diz em segredo que não gosta da esposa. O ponto de confissão.

Ele segue Jesus, e acha que o messias mandou menosprezar a esposa. A mulher só serve para servir, não pode ser pastora, não pode ser presidente, não pode assumir cargos de poder, mas ela pode assumir a cozinha de casa e a limpeza do banheiro. Esse macho alfa se incomoda com um batom vermelho, e escolhe as roupas da esposa.

Ele ainda posta em um blog “Como me cuidar para não idolatrar minha esposa?”, como se o sentimento fosse uma perdição e fácil de se controlar. Vamos agir para não amar as nossas esposas, afinal amar é mais que gostar, então vamos trabalhar para não gostar tanto assim, pode ser interpretado como idolatria, e um presente fora de hora como uma oferenda, um sacrifício. “Eu só adoro a Deus e só amo Deus”. Esse macho é aquele que diz que Deus está em primeiro lugar e as vozes esquizofrênicas em sua mente coordenam suas ações maléficas no relacionamento. “Deus que me disse”.

E por aí esse macho segue elevando a imagem da sua esposa para além do fogão (afinal, ela também precisa usar a geladeira que é um pouco mais alta que o fogão), seguindo preceitos caducos de sociedades antigas em que o vento era livre por baixo das saias dos homens barbudos da época e resfriavam o suor dos escrotos.

Mas vamos fingir que eles estejam certos, vamos fingir que o mal da humanidade veio da mulher, vamos fingir que o ser onisciente não sabia da existência de uma ludibriadora animal rastejante. Agora, em nossa imaginação, podemos tentar concordar com tudo o que os varões proclamam, é agora que eu chego a uma conclusão solucionável: O ideal para um macho alfa cristão é um relacionamento homossexual, entre dois varões, assim a perfeição no relacionamento seria atingida. Mas agora me veio um lampejo de ideia, se o relacionamento perfeito for homossexual, eles terão que escolher qual será o macho beta (se é que você me entende).